terça-feira, 29 de abril de 2008

O Fantástico menino cego.


Você vai conhecer agora a história de um menino chamado Ben. Ele virou notícia porque venceu a deficiência de forma extraordinária. Com o apoio incansável da mãe, ele desenvolveu capacidades quase sobre-humanas.
E pra contar essa história de superação, o repórter Rodrigo Alvarez do Fantástico, esteve com Ben na cidade de Sacramento, na Califórnia.
Quem passa distraído por uma rua em um subúrbio da Califórnia tem a impressão de que Ben Underwood é um adolescente como os outros. Ele tem 16 anos, está sempre sorrindo e é brincalhão. Apaixonado pelo basquete e pra lá de abusado na bicicleta.
Quando a equipe de reportagem do Fantástico chegou, o adolescente estava longe de casa. A mãe teve que chamá-lo pelo celular, e ele veio de longe, esbaforido.
Em quase tudo, ele é como os amigos do bairro, não fosse por um importante detalhe: ele é cego. Aos 3 anos, apareceram manchas brancas nos olhos de Ben. Os médicos diagnosticaram câncer nas retinas e, mesmo depois de duas cirurgias, ele perdeu completamente a visão.
Fez experiências com a bengala, só que ficou tão perdido e desistiu. E, sem que ninguém lhe ensinasse, acabou desenvolvendo uma habilidade incomum: começou a estalar a língua e descobriu que era possível “enxergar” com os ouvidos. Criou uma espécie de radar, ou sonar. Ele se orienta pelo eco do som que produz.
Hoje, enquanto caminha, sabe exatamente onde estão os carros. Na bicicleta, ele aponta mostrando que tem uma árvore à direita. O repórter pede para ele parar perto de uma outra árvore, e Ben não se engana.
“Quando eu estava andando por aqui, antes, eu detectei a árvore. E agora sei exatamente onde ela está. Eu posso ouvir que tem uma árvore aqui”, diz o adolescente.
Mas como ele sabe diferenciar uma árvore de um carro?
“A árvore é muito menor, é mais fina. O carro é comprido. Mas saber o ambiente em que estou me ajuda muito. Se tivesse um carro no meio da floresta, talvez eu pensasse que era um animal ou qualquer outra coisa”, explica Ben.
Para mostrar a precisão da “tecnologia” de Ben, propusemos um desafio – e é claro que ele topou. Colocamos uma lata de lixo em um corredor barulhento, onde funciona um estúdio de música. E ele desviou da lata com uma manobra milimétrica.
Depois de vencer os obstáculos, dentro do estúdio, Ben encontrou um universo onde tudo toca a seu favor. Durante muitos anos, Ben usou o método instintivamente, sem saber que estava reproduzindo algo conhecido pela natureza. É o que a ciência define como eco-localização, comum entre os golfinhos e morcegos, mas extremamente raro entre os seres humanos.
Debaixo d’água, os golfinhos emitem sons que se propagam em ondas e, ao se encontrar com objetos, voltam a eles, na forma de eco. O lapso de tempo entre os sons emitidos e o eco permite ao golfinho determinar a distância que o separa do objeto. Algo parecido acontece com Ben.
A mãe acredita que o filho desenvolveu essa habilidade porque nunca disse a ele que estava cego. Desde pequeno, ele aprendeu a ver com os outros sentidos.
“Depois da segunda cirurgia ele acordou e disse: ‘Mãe, eu não posso ver, eu não posso ver’”, diz a mãe.
Ela conta que mostrou a Ben que ele podia usar as mãos, o nariz e os ouvidos para entender o mundo.
“Eu nunca deixei ele perceber que eu estava com medo e nunca chorei na frente dele. Eu nunca disse que ele era diferente dos outros, porque não existem diferenças”, continua a mãe.
Bom, se as diferenças existem, podem ser a favor de Ben. Com ouvidos super poderosos e mãos velozes, ele derrota qualquer adversário no videogame.
Ben venceu mais uma. Recentemente, o câncer reapareceu. Ben tem poucos cabelos porque voltou a fazer quimioterapia, mas continua sonhando com o futuro. “Quero ser inventor, ator, escritor e criador de jogos de videogame”, diz Ben.
Se ele se sente feliz? A resposta parece óbvia. Basta observar um pouco para entender algo que Ben já enxergou há muito tempo.


Assisti na rede Globo esta reportagem sobre Ben, o menino cego que emite sons e "enxerga" através deles uma história incrível de superação que emociona e nos faz refletir sobre o sentido da vida.

2 comentários:

Joy disse...

Acabei de criar uma comunidade no Orkut em homenagem ao Ben, achei fantástico!
Quem se interessar.. pode participar sem pensar 2x, bjsss

http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=56381253

Frank disse...

http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM820807-7823-UMA+HISTORIA+DE+SUPERACAO,00.html

ver pra mim, é melhor que ouvir!!!
=D